Entrevista Com Jóni Oliveira

Entrevista Com Jóni Oliveira

joniQuem tem unhas, toca guitarra

O Jóni Oliveira é o exemplo perfeito daquilo que os (bons) sites que ensinam a ganhar dinheiro na internet tentam transmitir: estuda, trabalha, testa e volta a repetir o processo até ganhares dinheiro a sério.

Com ou sem estudos universitários, com mais ou menos investimento inicial, todos podem ganhar algum (ou muito) dinheiro a trabalhar online a partir de casa.

Com certeza que o Jóni nunca sonhou vir a ganhar muito dinheiro graças a fotografias de unhas submetidas por mulheres brasileiras para uma página de Facebook, mas foi isso mesmo que aconteceu.

A história do Jóni vem provar que cada um de nós pode encontrar o seu nicho lucrativo onde menos espera. O essencial é nunca desistir, e ser obsessivo nessa procura também ajuda.

Obrigado Jóni pelo tempo que dedicaste a responder às minhas perguntas.

Sem mais demoras, aqui está uma das entrevistas mais interessantes que já fiz no Web Milionário.

O Webmaster

WM – Em primeiro lugar peço-te que descrevas resumidamente o teu percurso académico e profissional até ao momento.

JO – O meu nome é Joni Oliveira, nasci em Leiria e atualmente estou a viver em Mogi das Cruzes (São Paulo). Tenho 20 anos e dedico todo o meu tempo a trabalhar online.

Estudei durante alguns anos, não segui os estudos (faculdade) porque achei que não seria necessário – e ainda não me arrependi – fiz o 10º ano em Artes mas acabei por desistir e fazer um curso profissional de informática.

[blockquote author=”” align=”left”]Tenho 20 anos e dedico todo o meu tempo a trabalhar online[/blockquote]Profissionalmente… nunca fui empregado, apenas estagiei 6 meses numa loja de informática. Nessa altura já geria os meus sites e já ganhava algum dinheiro online. Quando terminou o estágio e o curso fiquei em casa a tempo inteiro a gerir sites e a gerir a minha empresa de alojamento. Mais tarde abri uma loja de serviços de informática que durou menos de 1 ano – não pelo fraco retorno mas sim pelo fato de ter decidido vir para o Brasil.

Atualmente estou a trabalhar em casa como no início, apenas com sites e com a empresa de alojamento.

WM – Ainda te lembras como ganhaste os teus primeiros 100 euros online?

JO – Os meus primeiros 100€ online, salvo erro, foram ganhos com várias misturas. Por ordem cronológica dos ganhos: começou com publipt, neobux, serviços e adsense. Demorou bastante tempo, mas como se costuma dizer, os 100 primeiros são os mais difíceis, depois disso é tudo bastante mais fácil em especial no que diz respeito ao adsense.

WM – Achas que ainda é possível em 2013 um webmaster novo e sem experiência começar a trabalhar na web e crescer como tu?

JO – Desde que vim para o Brasil já não tenho estado tanto tempo online, a seguir fóruns e blogs como fazia antigamente, no entanto acho que cada vez há mais gente a tentar esta profissão, mas são poucos os que a seguem de forma séria. Alguns desistem pela dificuldade que há em qualquer negócio – não saber gerir despesas, tempo, etc… Outros desistem porque, como é sabido por nós que já trabalhamos há algum tempo na net, os ganhos não aparecem do nada e por vezes a taxa de esforço não compensa o ganho.

De qualquer das formas penso que ainda há grandes webmasters por descobrir, afinal de contas é uma profissão nova e ainda não há nada especifico a “ensinar a ser webmaster”, mas não deve tardar.

WM – Apesar de seres um webmaster, criaste uma empresa de alojamento. Porquê?

JO – Antes de me iniciar nos blogs, ou melhor, antes de perceber que os blogs/sites poderiam gerar algum dinheiro, tentei seguir o percurso dos serviços onde era mais certo haver lucro. Na altura que comecei também foi em parceria, na qual o meu sócio era mais experiente que eu e era mais fácil para mim aprender e fazer um melhor serviço. Junto a isso fui expandindo, não pelo acréscimo de clientes mas sim pelos meus próprios sites e juntei o útil ao agradável.

Passei das contas de revenda para VPS, depois de VPS para os dedicados e com o tempo os clientes também vieram. Os melhores resultados que tive foi no tempo em que juntei o “ser webmaster/blogger” ao serviço de alojamento. Por isso acho que posso dizer que tenho serviços porque tenho mais recursos que o que preciso para manter o que é meu, logo “alugo” o que está livre.

Os milhões no Facebook

WM – Como conseguiste fazer crescer tanto uma página de Facebook? Houve truques blackhat envolvidos?

Screen Shot 2013-04-16 at 4.23.16 PMJO – Vou revelar o segredo (que já não serve para nada) que todos me perguntam qual é, já o fiz mais vezes mas penso que mesmo assim ninguém acredita. A página unhas era atualizada com fotos tiradas da Google, assim como quase todas as páginas que existiam no face.
Quando me apercebi que as fãs da página partilhavam unhas na página e pediam para divulgar pensei, se eu partilhar as melhores fotos que as leitoras enviam para a página, não terei tanto trabalho a pesquisar fotos diferentes, vou ter fotos exclusivas e elas vão se sentir importantes.

Aqui está o truque, a partir do momento que o seguidor se sente importante/relevante no crescimento da página, criamos uma boa comunidade, em que praticamente todos enviam fotos, partilhamos, eles partilham para os amigos verem que é deles, partilham no mural, etc… E foi assim que a página começou a crescer repentinamente. De um momento para o outro a página começou a crescer 20 mil fãs por dia.

Nunca utilizei técnicas de blackhat, até porque ainda hoje tenho algum receio que a página seja excluída do Facebook por algum motivo e eu perca aquela boa fatia que ela me traz de rendimento.

WM – Com as mudanças recentes, ainda vale a pena apostar no Facebook para geração de tráfego gratuito?

JO – Tendo em conta que a minha página principal tem uns milhões, eu diria que não vale a pena. A minha é enorme, tudo fãs reais e o tráfego é minimo. No entanto sei que há paginas que tem poucos fãs e geram boas visitas. Mas na minha opinião, agora com a nova alteração de layout do Facebook onde as páginas serão terceirizadas talvez já não valha apena, a não ser que exista um bom budget para investir em publicações pagas, mas aí já estava a fugir à pergunta.
Resumidamente, é esperar para ver.

A mudança para o Brasil

WM – A decisão de trocar Portugal pelo Brasil deveu-se a motivos profissionais? Quais?

JO – Não foi só pelo motivo profissional, foi um aglomerado de motivos familiares, profissionais, financeiros, etc… Mas falando dos profissionais, aqui estou a alguns passos de me dirigir a sedes de grandes marcas e propôr contratos de publicidade. Ainda só fiz dois, mas foram bastante lucrativos.

[blockquote align=”left”]Acho que estou no país ideal para crescer nesta área[/blockquote]Agora que alterei o layout do site e ficou mais cativante, vou formular várias propostas para grandes empresas, afinal de contas o Brasil é o segundo maior consumidor de esmaltes a seguir aos EUA. Para além do meu nicho das unhas, aqui existe mais partilha de informação e conhecimento entre Webmasters. Já fiz bons amigos, alguns já se ofereceram para fazer alguns milhares de Kms só para irmos almoçar e trocar ideias.

Acho que estou no país ideal para crescer nesta área, afinal de contas só São Paulo é maior que Portugal e o Brasil é um país em crescimento…

WM – Como está a correr a adaptação à vida e trabalho no Brasil?

JO – Aqui as pessoas são super calmas, quase nos tiram a vontade de trabalhar, a Internet é pior e a eletricidade é pouco estável, mas fora isso a adaptação é bastante fácil. Sinceramente ainda não comecei a trabalhar como trabalhava em Portugal – horas a fio até cair para o lado, mas a casa já está quase pronta e a partir daí volto à rotina.

Já tenho o escritório pronto para começar a trabalhar, falta-me decidir se vou começar com horário fixo ou se vai ser “quando me apetecer”. Agora que mudei a minha vida toda não quero fazer o que fazia em Portugal de passar o dia todo nisto, vou definir objetivos “menos impossíveis” ao contrário do que fazia antes.

WM – Recomendarias a outros webmasters portugueses que se focassem mais no mercado brasileiro?

brasil--bandeira-tremulando_6645_1024x768JO – O mercado brasileiro tem muita concorrência. Conheço 10 ou 20 portugueses que levam isto a sério, já brasileiros, conheço alguns que não ganham 100€ mês e levam isto ainda mais a sério. Mesmo quando tentamos vender publicidade, é mais fácil ser um brasileiro amador a comprar que um português mediano.

A valorização dos sites aqui também é mais realista, quando tentamos vender um site, não contamos só o número de artigos, mas também o investimento, o tempo e todos os pormenores que realmente dão trabalho a qualquer webmaster e que nos fóruns portugueses raramente são valorizados. Talvez aqui essas coisas sejam mais evoluídas devido à proximidade com os Estados Unidos.

WM – Além das unhas, quais são os nichos que exploras online?

JO – Há sites que tenho e nem sei, ainda há 1 ou 2 meses atrás descobri que tinha sites perdidos a render de 3 a 10€ por dia. Trabalho com muitos nichos, pego num pouco de tudo mas não trabalho nada, o que começar a dar lucro é onde eu pego, normalmente deixo os sites 2 ou 3 meses com umas dezenas de artigos e o que pegar é o que eu sigo.

Neste momento estou a trabalhar com unhas, esmaltes, cabelos, maquiagem, moda, telemoveis, bolos, saúde, tatuagem, sapatos, botas, fitness, dietas, etc… basicamente tudo o que está relacionado com beleza, saúde e vestuário. São bons nichos, tendo em conta que o mercado feminino é enorme e rentável, só é pena a saturação.

O futuro

WM – O que podes revelar dos teus planos futuros?

JO – Agora tenho estado meio parado, estou numa fase de adaptação, tratar da papelada, entre outras coisas. Mas quero ver se descubro outro bom nicho. Embora o meu site www.ClubeDasUnhas.com esteja num patamar acima dos concorrentes tenho de admitir que isso se deve bastante ao Facebook, mal o layout do Facebook seja modificado devo perder 40 a 60% do tráfego o que também será uma queda bastante alta nos ganhos, tanto de AdSense como de quase todos os afiliados com que trabalho. Felizmente tenho aproveitado para me dedicar a SEO enquanto o Facebook vai gerando tráfego e assim estarei minimamente preparado, para além disso ainda tenho mais uns sites e a empresa.
Possivelmente vou continuar a investir em pequenos sites até descobrir um (novo) bom nicho aqui no Brasil.

Quero ver se faço uns cursos ligados a esta área, já pensei no da MestreSEO, quando estiver tudo pronto aqui penso melhor nisso, mas para já não tenho muita coisa definida.

WM – Tens alguma mensagem para os webmasters portugueses e brasileiros?

JO – Trabalhem muito no início, essencialmente ESTUDEM muito. Há bastantes blogs aqui, como o Webmilionario, onde existem webmasters de verdade a dar dicas que devem ser valorizadas e por favor, parem de ler os blogs motivacionais… Não vão ter sucesso por ler um artigo de “como ter sucesso”… leiam coisas mais práticas e testem!

Ninguém vos vai dizer onde está o ouro, acreditem – e quando disserem, é porque a mina já está vazia.

The following two tabs change content below.
Webmaster, empresário e blogger, entre muitos outros títulos possíveis. Aos trinta e poucos anos, Fernando Amaral trabalha a tempo inteiro na internet, sem horário e sem patrão.
Webmaster, empresário e blogger, entre muitos outros títulos possíveis. Aos trinta e poucos anos, Fernando Amaral trabalha a tempo inteiro na internet, sem horário e sem patrão.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*